Instituto de Psicologia

Milton H. Erickson

Juiz de Fora

Lugar de crescimento e aprendizagem.

 

 

Há que aprender a sentir e expressar a GRATIDÃO!

 

Suzana Maria de Paula Mendonça. CRP 04/7259

Maio/2022

 

Agradecer, ser grato, reconhecer que foi beneficiado de alguma forma. Gratidão material, espiritual, emocional. Independente de como alcançou algo ou tenha sido ajudado, merece um reconhecimento e uma palavra que expresse a gratidão por todo e tudo que tenha recebido.

Há tantas informações sobre ser grato, que algumas pessoas banalizam a palavra e a forma como a utiliza.

Há pessoas que nem sentem a necessidade de serem gratos ou reconhecem a vida como um presente ou uma escolha ou uma oportunidade, até mesmo de fazer diferente, de estar consciente e presente, para perceber os benefícios recebidos, as graças alcançadas.

Há quem diga que não acha motivos na vida, nos relacionamentos ou situações para tal.

Há algo errado, muito errado com quem ainda não foi capaz de descobrir pequenos detalhes todos os dias, váriasvezes, em muitas situações, com pessoas, animais, natureza em geral, para experienciar o sentimento nobre e tão profundo, como sentir a gratidão por tantas outras coisas, pessoas, acontecimentos, belezas, além do estar vivo.

Então, o processo é cada um fazer por onde tornar fácil a experiência de sentir, vivenciar momentos simples e complexos dessa habilidade que transforma vidas, gera modificações na química do corpo e envolve tantos outros sentimentos, conceitos e implica em se desenvolver em todos os aspectos humanos.

Há pessoas que experienciam a ingratidão constante e não percebem que o oposto é mais enriquecedor, compreensível, agradável e mais, é muito comum encontrar pessoas que não sabem ser gratos, por não se perceberem ingratos...

Há que descobrir. 

Seu grande grão de areia no tempo e no espaço.

 

Suzana Maria de Paula Mendonça

CRP: 04/7259

Abril/2022

 

Para extrair o mais puro extrato daquilo que se deseja, precisa fazer escolhas. Escolher qual extrato ou qual substância específica quer retirar. Eleja o terreno, o adubo, o material, a época, o objetivo e pense para qual finalidade. Tudo isso gera interferências.

É na essência de cada um que contém a porcentagem exata dos ancestrais, a metade de pai e metade de mãe.  O meio ambiente e a criação agregam. As suas experiências enriquecem. E por lei universal, o universo está em cada um, na medida exata, porque já faz parte do próprio universo e com cada indivíduo há uma conexão. Em cada parte, há um todo e no todo, estão contidas as partes. O saber que se adquire e traz por naturalidade consigo mesmo, completando a individualidade, formando um ser completo, inserido no contexto. E assim, entendo o que forma uma essência.  A especificidade e unicidade dela. A essência se constrói do mais amplo e menos compreendido, ao mais explicado e comprovado pela ciência, pela neurociência, pela genética ou epigenética, pela evolução.

Essa construção é como cada um fundamenta e entende a soma das partes que formam um todo. Na essência, encontra-se um pouco de tudo que está no todo e no todo um pouco de tudo que está no universo. Por isso, a integração entre tudo que contém a vida e que precisa de oxigênio, está contido e contendo. Uma interligação integrando cada componente de cada parte. Ao mesmo tempo, misturados, separados e cada parte com uma função integrada. Sequências, consequências e ciclos.

O essencial é visível e invisível, sentido, percebido e o melhor, sabido. Talvez, nem todos, em alguns momentos, não estão atentos, sem problemas ou dificuldades, ainda assim, de fato, existem e coexistem.

Ao se tornar consciente de sua própria essência, pode se permitir melhorar, ampliar, modificar e transmutar aquilo que seja do próprio querer ou do conhecimento, porque é assim que combina ou descombina, preenche ou esvazia, completa ou incompleta, constrói ou desconstrói, seguindo em opostos ou afins.

Era uma vez um lugar lindo, diferente, longe e especial. Um lugar seguro, confortável e necessário de se estar. Muitas vezes, pessoas se perdiam, saiam do caminho ou demoravam a se conectar com o lugar. Até que chegavam, saboreavam algo, sentiam o perfume, ouviam os sons, enxergavam a beleza do lugar e experienciavam as mais diferentes sensações. Não fazia diferença se, primeiro por dentro ou por fora, porque sabiam que aquilo era essencial para desabrochar e crescer de forma condizente com escolhas e necessidades.

Um lugar único, porque só uma mente, com tudo que nela contem, capta o que precisa e pode. Só um corpo pode ocupar aquele espaço, mas com uma grande oportunidade de descoberta, acesso e encontro, embora uma senha se faça sempre necessária. Acesse: qual seu nome? 

Amor: Poder Além da vida!

 

David Pereira Vaz CRP 04/26673

Março/2022

 

Desde que eu assisti a um filme chamado Poder Além da Vida, carrego comigo uma frase de que nunca mais me esqueci e sei que para sempre me será útil.

No filme, essa frase aparece após uma cena em que trêsassaltantes roubam outros dois homens – um mais velho e um mais novo –em um beco escuro da cidade.

O mais novo de nome Dan fica indignado com o mais velho, chamado Sócrates, por este não reagir a um assalto que sofreram; uma vez que Sócrates, é na história um personagem muito sábio, forte, expert em tudo que faz e fosse bem capaz deevitaro furto se assim quisesse. Mas ele simplesmente não faz nada; não reage, e até facilita o roubo. E quando os ladrões já iam embora com o dinheiro roubado, Sócrates ainda os chamade volta para que eles levem também outros pertences que nemtinham pensado levar; relógio, roupas, sapatos... Todos ficam espantados, com tamanha “Gentileza”.

Por fim, Dan e Sócrates, terminam apenas com suas roupas íntimas e tiveram que retornar para suas casas, correndo pelas ruas, quase nus em meio ao frio da madrugada. E é nessa parte em que o mais novo questiona o mais velho, mais ou menos assim: “você poderia ter evitado e não fez nada... por que você fez aquilo? ”. E a resposta que Sócrates dá é algo que vale mesmo a pena refletir em nossas vidas: “As pessoas mais difíceis de serem amadas, são também as que mais precisam de Amor! ”

Quantas pessoas nos aparecem esporadicamente ou quejá as temos em nossas vidas diárias que precisam do nossoapoio, da nossa presença, do nosso carinho? E quantas vezes, as ignoramos ou as evitamos por já saber “como elas são”? Pessoas que já rotulamos como complicadas e que também não mudam porque não mudamos com elas. E assim, elas continuam complicadas, repetindo os mesmos comportamentos, “difíceis de serem amadas”, enquanto seguem precisando de mais amor. Se jogamà nossa frente para serem vistas. Gritam para serem ouvidas. Nos irritam para existirem. Os sintomas e sinais são dos mais diversos e mudando. É filho reclamando da implicância da mãe. É esposa reclamando do nervosismo do marido. São pacientes se queixando de dores físicas e emocionais, que só podem ser curados com a técnica chamada Amor.

E o que custaria para gente doar um pouco de nosso amor?! O tempo “gasto” para ajudar o próximo, não é um tempo desperdiçado, é um tempo bem usadoe que tantobem faz ao que ajuda e ao ajudado.

Lembremos que quando alguém entra em conflito com o outro, está em conflito consigo mesmo. Está com dor. Dor que é curada com amor. Deu carinho, deu amor, deu atenção, e a pessoa “não melhorou”?! Aumente a dose! O Amor causa mudanças (em si mesmo e no outro), alivia (dores), preenche (vazios), acalma (os nervos), transforma (relações), cura (enfermidades), salva (vidas)...!

David Pereira Vaz éDiretor Social do Instituto Milton Erickson de Juiz de Fora, especialista em Hipnose e Diretor/Psicólogo da empresa Centróleo.

 

 

Indicação de leitura:

Livro: A Ciência da Compaixão .

Autores: Javier García-Campayo, Ausiàs Cebolla I Martí, Marcelo M. P. Demarzo.

Editora: Pala Athena.